Quase 6 mil lâmpadas em desuso são descartadas pela JFPB

26/11/2019 às 17:54

 Trabalho foi realizado pela equipe da Comissão de Gestão Socioambiental

          A Comissão de Gestão Ambiental da Justiça Federal na Paraíba concluiu, nesta terça-feira (26), o descarte de lâmpadas fluorescentes em desuso no órgão, totalizando 5.840 unidades. O trabalho, que teve início no mês de julho, foi finalizado com a entrega de 240 unidades desses passivos ambientais para encaminhamento ao Reciclus, entidade sem fins lucrativos que realiza a logística reversa desse tipo de material no Brasil.

          Para o presidente da Comissão, Ruy Freire Duarte, o objetivo do órgão com a ação é promover a destinação final ambientalmente adequada das lâmpadas, uma vez que não podem ser jogadas em lixo comum. “Damos grande importância ao descarte correto de lâmpadas fluorescentes por serem extremamente nocivas ao meio ambiente e à saúde das pessoas, em virtude de resíduos de mercúrio e sódio utilizados no processo de fabricação. Se colocado em local inapropriado, poderá contaminar o lençol freático, prejudicando o consumo da água”, ressaltou.

          Ainda de acordo com o presidente, “outros materiais da lâmpada descartada, como o vidro, que representa 95% da sua composição, e os metais, podem ser separados e enviados para reciclagem, tornando-se novos produtos”.

          As ações de reciclagem realizadas nos últimos meses integram o Plano de Logística Sustentável (PLS), que tem como objetivo instituir ou aprimorar práticas de gestão estratégica de forma a consolidar uma cultura institucional baseada em princípios de sustentabilidade econômica, social e ambiental. O documento atende à Resolução nº 201, de 2015, do Conselho Nacional de Justiça, alterada pela Resolução nº 249/2018, também daquele Conselho.

          Conforme o diretor do Foro da JFPB, juiz federal Bruno Teixeira de Paiva, a responsabilidade social e ambiental das organizações, sobretudo, das públicas vem sendo uma das preocupações mais recorrentes nos cenários, nacional e internacional, modernos. "As instituições têm um papel importante e uma significativa contribuição a dar neste contexto por serem grandes criadoras e operadoras de processos de produção e consumo que, em geral, causam impacto no meio ambiente", disse.

           

            Autor: Seção de Comunicação Social da JFPB - imprensa@jfpb.jus.br


 Imprimir